top of page

10 coisas que me fizeram amar novamente a minha profissão de medicina veterinária

Fonte: DVM 360 | Emily Singler, VMD | em 13/05/22


O que me tornou uma veterinária melhor e restaurou meu amor por essa profissão? Eu poderia começar com respostas óbvias, como melhorar minhas habilidades de comunicação com o cliente, melhorar os registros médicos, aprender sobre tratamentos e procedimentos inovadores ou encontrar os melhores recursos – mas essas coisas nem entraram na minha lista. Eles são importantes, no entanto, não são o que me motiva a querer acordar todos os dias e continuar fazendo meu trabalho.



Embora gratificante, a medicina veterinária é um campo desafiador para se trabalhar, especialmente com relação a escassez de mão de obra sem precedentes, crise de burnout, dificuldade em lidar com os clientes. Tive minhas próprias crises existenciais ao longo dos anos, levando-me a me perguntar onde me encaixo ou se pertenço a isso tudo. Como sei que não estou sozinha nesses sentimentos, aqui estão algumas coisas que ajudaram significativamente a me inspirar e motivar em minha jornada de amor à medicina veterinária (novamente).


1. Dedicar-se a uma onda chamada FEAR FREE

Trabalhar com a medicina veterinária sem medo aprofundou os laços que tenho com pacientes e clientes e ajudou muitos tutores de animais de estimação a desenvolver um maior nível de confiança e valorização das equipes veterinárias. Embora eu nunca tenha discordado dos princípios da medicina sem medo, eu certamente era culpada de fazer as coisas como todos os outros tinham antes de mim: ficar em cima de cães assustados para aparar as suas unhas, reter a sedação quando era claramente necessário, ser mordido por gatos aterrorizados quando eles estavam exibindo todos os sinais de agressividade e que eu precisava parar, e cedendo aos pedidos dos proprietários para tentar "mais uma vez", mesmo quando eu sabia que era uma má ideia.


Assim, aprender e praticar intencionalmente os princípios do Fear Free me libertou da sensação de que estava em guerra com meus pacientes. Explicar as estratégias Fear Free para os tutores de animais de estimação – embora confuso e estranho para alguns no início – serviria como uma lufada de ar fresco para eles, porque eles não eram mais cúmplices do medo e da ansiedade de seu animal de estimação, mas sim incluídos em um caminho mais seguro e gentil para seguir.


2. Encontrar o meu nicho

A medicina veterinária é diferente de qualquer outra área. Muitas vezes parece que devemos ser tudo para nossos pacientes e clientes ao longo da vida de seus animais de estimação. É impossível ser bom em tudo. Lutei contra sentimentos de inferioridade porque não tinha tanto conhecimento em todas as áreas que acreditava ter dominado. Às vezes, precisamos apenas nos dar permissão para dizer: "Estou realmente interessado em X e vou dedicar mais do meu tempo a isso e não vou dedicar tanto da minha energia a Y". Por exemplo, adoro saúde pública e medicina preventiva e escrever sobre temas veterinários para colegas e donos de animais de estimação. Terei todo o prazer em encaminhar todos os casos de cirurgia ortopédica, gastrointestinais e casos de terapia intensiva para outros. Sei que, no passado, os veterinários eram reverenciados por fazerem tudo sozinhos, mas com os donos de animais de estimação agora estão esperando níveis de cuidado iguais ou superiores aos da medicina humana, não podemos esperar ser especialistas em todos as áreas.


3. Aprendendo sobre o vínculo humano-animal com os clientes

As interações com o cliente podem estar entre os aspectos mais estressantes da prática clínica veterinária. No entanto, sempre existem excelentes tutores que compartilham histórias maravilhosas de amor e amizade com seus animais de estimação. Quando eu estava em consultório particular, havia certos clientes que eu ansiava por ver, não só porque eu amava seus animais de estimação, mas também porque eu tinha interações inspiradoras com eles. Havia o cão de terapia labrador que ia com seu tutor ao hospital 3 vezes por semana para visitar pacientes e suas famílias. Era óbvio que essas visitas eram tão terapêuticas para a parceria dono/animal de estimação quanto para quem fazia a visita. Quando eu via esse paciente, sempre podia contar com uma história emocionante do dono da capacidade de seu cão de acalmar e confortar um indivíduo doente ou uma família enlutada. Além disso, eu aprenderia como outros pacientes ajudavam seus donos a se manterem ativos, protegerem e cuidarem das crianças, e trariam alegria para a vida de seus donos de inúmeras maneiras.


Atualmente, adoro testemunhar a emoção que uma família transmite quando adota um novo gato ou cachorro. Pelo contrário, ao ajudar os donos enlutados a se despedirem de seus animais de estimação, tenho o privilégio de ouvir histórias de uma vida inteira de amizade e devoção. Considero parte do meu trabalho ensinar aos outros sobre a beleza e a importância do vínculo humano-animal, mas também aprendo mais sobre isso diariamente com meus pacientes e suas famílias. Por mais que eu precise estar lá para eles, às vezes me apoio em meus clientes e pacientes para encher um pouco meu copo.


4. Aprender com as gerações mais novas

Talvez eu esteja me fazendo parecer velha demais... digamos que sou membro da Geração X. Quanto mais me conecto com veterinários mais jovens, mais impressionado fico com sua confiança, preparação e abordagem de suas vidas pessoais e profissionais. A medicina veterinária está repleta de pensadores fora da caixa que estão desafiando as maneiras passadas como as coisas foram feitas e inovando em uma infinidade de avanços em nossa profissão (por exemplo, programas formais de mentoria para recém-formados, podcasts que exploram todos os assuntos, desde finanças até saúde mental, novos programas para aumentar a diversidade, equidade e inclusão na área, etc). Essas não são coisas que nenhum de nós foi ensinado na escola de veterinária. São criações marcantes feitas por veterinários inspirados e determinados que querem levar nossa amada profissão a novos patamares. Estou admirada e motivada por todos eles.


5. Fazer amigos

Isso se aplica àqueles na medicina veterinária, como colegas de trabalho, amigos de clínicas vizinhas que você conhece em conferências ou de comunidades online, ex-colegas de classe e muito mais. Um dos meus aspectos favoritos de trabalhar em medicina de alívio tem sido a oportunidade de conhecer outros veterinários e simplesmente conversar com eles, aprender com eles e apoiar uns aos outros. Sentir-me conectado com os outros melhorou substancialmente meu nível de confiança como médica veterinária. Também faz com que o dia pareça muito menos difícil. Sou muito grata por toda a tecnologia que nos conecta com os outros e nos permite receber a ajuda necessária em tempo real, mesmo quando estamos trabalhando sozinhos.


6. Minha família

No meu caso, fui casada e mãe durante toda a minha carreira veterinária. Em alguns sentidos, isso cria um nível adicional de estresse no meu trabalho e na minha vida doméstica, pois sempre desejei estar fazendo mais por alguém. No entanto, minha família também é minha maior alegria, apoio e meu refúgio ao final de um longo dia. Ser mãe me tornou uma veterinária melhor em muitos aspectos – isso ajudou na minha gestão do tempo, empatia e compaixão, habilidades de resolução de conflitos e muito mais. Minha grande família e amigos completam minha vida, e eu dependo muito deles. Adoro poder compartilhar o que faço com eles, contar minhas histórias engraçadas (e às vezes malucas), desabafar sobre um dia desafiador e ouvir meus filhos falarem com orgulho sobre o trabalho que faço. Meu filho de 3 anos está começando a entender minha carreira. Muitas vezes, de manhã, quando me preparo para o trabalho, ele pergunta por que eu vou ao hospital dos animais. Às vezes, ele responde à própria pergunta: "É porque você é o médica?" Sim, filho, a mamãe é a médica.


7. Reconectando-se com o meu "desejo inicial de ser veterinária"

Não estou me referindo a uma versão adulta e matizada do porquê sou veterinária. Estou falando sobre porque eu queria ser veterinária quando era uma menina – porque eu amava – e ainda amo animais. Quando crescia, eu colocava sacos de sanduíche nas mãos como "luvas" para tentar salvar filhotes de pássaros feridos. Empurrei minha família para adotar um cachorro, fazer a viagem de 2 horas para o SeaWorld todos os verões, e até viajei para as Ilhas Galápagos para ver toda a extraordinária vida selvagem lá. Fui voluntário no zoológico, montei cavalos, nadei com golfinhos e visitei fazendas de alpaca. Se havia uma experiência animal, eu estava fazendo.

Há alguns anos, uma técnica com quem trabalhei levou-nos a todos para ver tartarugas marinhas a botar ovos na praia à noite (com autorização do grupo de investigação com quem trabalhava). Foi uma experiência inspiradora, e eu estava tão tonto quanto uma criança. Ocasionalmente voltei a andar a cavalo depois de um hiato de 13 anos. Além disso, encontrei uma fazenda de alpaca local que oferece passeios e até tem alpaca yoga! Reconectar-me com a maravilha que senti quando criança através dessas experiências incríveis foi fundamental na minha decisão de permanecer na medicina veterinária e desfrutar do meu amor pelos animais fora do meu trabalho de 9 a 5 melhorou minha perspectiva.


8. Fortalecer a minha identidade Digital/Social

Sei que estou atrasada, mas aos poucos estou aprendendo sobre os métodos que os veterinários usam para interagir uns com os outros e melhorar nossa profissão através das mídias sociais. Graças a um curso de carreira veterinária que fiz há cerca de um ano, aprendi mais sobre o LinkedIn e me tornei mais ativa na plataforma. Eu não tinha ideia de quantos profissionais veterinários estão inovando e falando sobre o seu trabalho lá! Há treinadores que trabalham com veterinários para combater o burnout, apoiar a saúde mental, negociar seus contratos, procurar novos empregos e muito mais. Há listas de empregos e discussões importantes sobre não-concorrentes e equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Também aproveitei vários grupos do Facebook e contas do Instagram. O grupo DVMoms no Facebook, por exemplo, tem mais de 15.000 membros em todo o mundo que oferecem apoio, conselhos sobre tópicos como casos, parentalidade e vida em geral.


9. Buscar Outras Possibilidades de Carreira

Quando eu estava no auge mais profunda e sombrio do burnout, eu queria deixar a medicina veterinária completamente. Eu me sentia desconectada, ressentida e não era boa o suficiente. Além disso, senti que minha carreira estava interferindo no meu modo de vida. Fiz uma grande mudança e deixei meu emprego de consultório particular de 14 anos para seguir em outro trabalho. No entanto, antes de fazer isso, participei de um curso de coaching em grupo para veterinários para explorar meus pontos fortes, valores e propósito e descobrir como eu poderia alinhar melhor o que faço com quem eu sou. Esse foi o início da compreensão e incorporação de novos caminhos na minha jornada. Nem todo mundo pode precisar fazer uma mudança tão significativa. Para outros, pode ser estabelecer limites melhores, incorporar o autocuidado mais regular, explorar uma nova área dentro da medicina veterinária, priorizar interesses ou hobbies não relacionados ao trabalho, ou outra coisa.


10. Aprendendo sobre seus limites

Logo no início, como veterinária, aprendi inconscientemente que não deveria ter limites. Na verdade, eu nem sabia o que eram limites, mas sabia que se eu fosse "profissional", não deveria tê-los. Eu estava sempre disposta a ficar até tarde, pegar o caso extra, entrar no meu dia de folga para colocar os registros em dia, chamadas de campo em casa que poderiam esperar até que eu fosse o próximo no escritório, e assim por diante. O exemplo foi dado por outros: fazer da medicina veterinária é uma "pedra no sapato" da sua vida, e tudo mais está dentro dela. Eu me sentia culpada por até secretamente desejar que minha vida não precisasse ser assim. Foram anos aprendendo sobre mim e interagindo com os outros, tanto profissionalmente quanto pessoalmente, para descobrir que havia outra maneira de viver. Também foi preciso testemunhar os outros se defenderem, estabelecerem limites e exigirem respeito. Sou muito grata por seus exemplos que mudaram minha vida e me ofereceram esperança e otimismo sobre meu futuro na medicina veterinária.


Então essa é a minha lista. O seu pode ser totalmente diferente. As soluções para os desafios da medicina veterinária não são simples nem diretas. Encontrar maneiras de amar a medicina veterinária (ou amá-la mais) pode tornar mais fácil para nós fortalecer e apoiar ainda mais nossa profissão estimada. Ao fazermos isso, lembre-se de que não estamos sozinhos e todos merecemos encontrar alegria e realização em nossas vidas e em nosso trabalho.



Fontes / Fontes Adicionais:



コメント


bottom of page